ABAS

IAH

Você está em: HOME > Notícias

Notícias

Águas subterrâneas serão tema de congresso, em Minas Gerais

De 14 a 17 de outubro, Belo Horizonte será sede do XVIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, em conjunto com o XIX Encontro Nacional de Perfuradores de Poços e a VIII FENÁGUA – Feira Nacional da Água. Durante nove dias, também acontece exposição em praça pública sobre a água subterrânea no dia a dia das pessoas

Em outubro, as águas subterrâneas vão emergir na rotina da capital mineira. O XVIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas acontece de 14 a 17 de outubro de 2014, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. Além das discussões científicas e legais sobre a utilização, extração e o uso da água, o evento vai transpor os limites do pavilhão e estreará a exposição gratuita “Venha conhecer o fundo do poço – a água e você”, na Praça Diogo de Vasconcelos, na Savassi em Belo Horizonte.

Esta será, sem dúvida, a edição mais expressiva do evento realizado pela ABAS – Associação Brasileira de Águas Subterrâneas, por interagir com o público e a sociedade mineira, contribuindo com um rico legado à cidade. Através de elementos lúdicos, atores e participação interativa, a sociedade mineira conhecerá melhor a importância deste recurso tão precioso e presente em nosso dia a dia, mas pouco conhecido pelas pessoas. Nem todos sabem, por exemplo, que 97% da água consumível no planeta é subterrânea.

O congresso acontece em conjunto com o XIX Encontro Nacional de Perfuradores de Poços e a VIII FENÁGUA – Feira Nacional da Água, e tem como tema central Água nas Minas e nas Gerais: Uma riqueza nacional.  

“Embora a princípio tenha uma conotação regional, trata-se de um tema relevante para todo o Brasil”, destaca o presidente da ABAS, Waldir Duarte Costa Filho. “Apesar da abundância de água em grande parte do território mineiro, o estado também se apresenta com áreas de carência hídrica, principalmente nas regiões norte e nordeste do estado, reforçando a imagem de que Minas Gerais representa uma síntese dos aspectos nacionais, em todo o seu espectro de variabilidade”, avalia.

Waldir continua: “A água é um recurso finito de indiscutível valor econômico e sua ocorrência ora é meteórica, ora está nos rios e lagos, ora está no subsolo como água subterrânea. O conhecimento científico de sua ocorrência, circulação e armazenamento em aquíferos subterrâneos é fundamental em qualquer contexto geográfico. Sua exploração por poços tubulares, seu uso racional, seu uso concomitante com atividades econômicas e sua preservação devem estar sempre na mente dos hidrogeólogos”.

Pela segunda vez, congresso acontece em Minas

Em 1992, o estado de Minas Gerais sediou o VII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, época em que estavam em curso no Brasil os primeiros trabalhos de rebaixamentos de níveis de água, nas grandes minerações. Nessas duas décadas houve um aumento vertiginoso da demanda para o consumo de água em todo mundo, e uma maior participação das águas subterrâneas no atendimento a esta demanda, com o consequente aumento dos conflitos pelo uso da água em geral.

As questões ambientais também se multiplicaram, com o acréscimo de novas fontes de contaminação de solos e de águas subterrâneas e o desenvolvimento de novos cenários de aquíferos contaminados. Por outro lado, o conhecimento hidrogeológico se aprimorou neste período, com a adição de novos temas e o desenvolvimento de melhores técnicas de análise e procedimentos para a solução de problemas.

“Belo Horizonte é o local apropriado. Trata-se da capital de um estado que, sob vários aspectos, representa uma síntese da geografia física e humana do Brasil. A questão dos recursos hídricos é um bom exemplo desta característica, nas regiões de relevo alto são iniciadas as grandes bacias hidrográficas dos rios São Francisco, Grande, Paranaíba, Doce, Jequitinhonha, Paraíba do Sul e Pardo, dentre outros, emprestando ao estado a denominação de “caixa d´água do Brasil”, explica o presidente da ABAS.

Em Minas existem expressivos mananciais hídricos subterrâneos, representados pelos aquíferos cársticos da bacia sedimentar do São Francisco, pelos aquíferos das formações ferríferas, na região central do estado, e pelos aquíferos sedimentares no Triângulo Mineiro, dentre eles o tão discutido Aquífero Guarani.

“A bacia do Bambuí, onde a história dos primeiros homens sul americanos é registrada por Peter Lund, local rico em cavernas, grutas e águas subterrâneas, e a existência de grandes formações ferríferas onde minerações e águas subterrâneas coexistem de forma sustentável, assim como a presença das estâncias de águas minerais, caracterizam bem o tema desta edição do evento”, explica Waldir. 

O congresso está dividido nos seguintes temas:

- Mineração e Gás - questões de inter relação das águas subterrâneas com as atividades da mineração e exploração do gás de xisto;

- Carste - particularidades, potencialidades e vulnerabilidades dos sistemas aquíferos cársticos;

- Gestão dos recursos hídricos subterrâneos, considerando o uso múltiplo das águas;

- Águas Minerais - águas minerais e águas subterrâneas: definições e caracterização de fontes e balneários; aspectos econômicos e técnicos;

- Contaminação e Remediação - cenários de contaminação e dos respectivos procedimentos de remediação, de solos e águas subterrâneas;

- Explotação e Monitoramento - Procedimentos de explotação e de monitoramento das águas subterrâneas;

- Múltiplos Usos - caracterização da demanda, e das condições de uso, dos setores usuários de água subterrânea;

- Aspectos Legais - princípios de direito, e os aspectos legais, relacionados ao uso sustentável dos recursos hídricos subterrâneos;

- Hidrogeologia - estudos específicos.

FENÁGUA e Encontro Nacional de Perfuradores de Poços

A realização conjunta da VIII FENÁGUA – Feira Nacional da Água e do XIX Encontro Nacional de Perfuradores de Poços dão ao congresso um perfil único nesse segmento no Brasil, posicionando-o como evento completo para atualização, disseminação de conhecimento e realização de negócios entre profissionais e empresas da área.

Estarão presentes na feira as principais empresas fabricantes de equipamentos, ferramental e insumos empregados em perfuração de poços, além de consultores e consumidores de serviços do setor de água subterrânea.

“Uma ênfase especial está sendo dada à organização dos três eventos simultâneos, de modo a viabilizar múltiplas maneiras de interação entre os participantes do Congresso, representados por engenheiros, geólogos, hidrogeólogos, cientistas, professores, consultores, autoridades ambientais, gestores públicos, estudantes e demais profissionais envolvidos com as questões de águas subterrâneas, e o público representado pelos empresários do setor de perfuração de poços e expositores da Feira e do Encontro”, explica o presidente da ABAS.

Exposição na Savassi buscará interação com população de BH

A Exposição “Venha conhecer o fundo do poço – a água e você”, aberta para visitação de 11 a 19 de outubro na Praça da Liberdade, na Savassi, em Belo Horizonte, estará focada muito além da economia ou desperdício da água, já que a distribuição não é igual para todos. Realizada em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, vai ressaltar sua importância para a vida e história dos povos.

Ela terá apelo ao humanístico. “É necessário lembrar que existem pessoas ao redor do mundo sofrendo com a falta de água. E, necessário refletir também, sobre o que queremos para o futuro. Futuro não apenas nosso, mas de todo ser humano. Uma sociedade justa não se constrói pensando somente em beneficio próprio, mas no bem de todos”, completa o autor do projeto, Rodrigo Cordeiro, da Acqua Consultoria, empresa realizadora do congresso da ABAS.

Aberta a todas as idades, a exposição contará com elementos lúdicos de fácil compreensão das crianças. Está dividida em quatro momentos:

A questão da água – Abundância ou Escassez? – será representado através de globo com o mapa mundi e na sequência simulado como se toda água do planeta coubesse numa garrafa de um litro. Feitas as reduções da água salgada, daquela retida na atmosfera e no solo, perceberão que sobra muito pouco e do que sobra 97% da água é subterrânea.

O Ciclo Hidrológico – os visitantes assistirão a um lúdico teatro com três atores, o professor e dois alunos, o Joãozinho e o Pedrinho. Na lousa o professor insistirá em lembrar o ciclo hidrológico, algo que os alunos já tinham visto no passado. Mostrará então, mesmo tendo que responder às perguntas mais inusitadas do Joãozinho, onde está a tal água subterrânea, como os aquíferos se recarregam e discutirão outros assuntos que temos certeza ser a dúvida de muitos pais e crianças.

Perfurar um poço é legal! – nesta terceira fase, os visitantes se depararão com os principais equipamentos utilizados para perfuração de poços e extrair a água subterrânea. Entre os equipamentos expostos, terão: perfuratriz (máquina de perfuração), bomba, fluido, filtro, tubo, broca/ bits, câmera de perfilagem geofísica.

Na transição deste terceiro para o quarto momento, os visitantes serão abordados por outros dois atores, que representam o bom e o mal perfurador. O mal perfurador sempre tentando arranjar cliente com o argumento do preço, enquanto que o bom perfurador explicará que perfurar poço exige conhecimento, deve ter um geólogo responsável, tecnologia adequada, obediência às normas da ABNT etc.

Perfurei o poço e encontrei água! – depois que a água subterrânea sai do poço seu destino passa a ser utilizada sob o nome de água. A última parte da exposição será montada no formato de supermercado, com prateleiras onde abaixo do produto terá uma placa descrevendo onde a água subterrânea se fez presente no processo produtivo. Os produtos expostos serão água mineral, garrafa ou lata de cerveja, frutas e verduras, entre outros.

Em todos os produtos expostos haverá o selo “Aqui tem Água Subterrânea”, que as crianças receberão ao término de sua visitação na exposição.

De acordo com Rodrigo Cordeiro, desde que foi pronunciada a expressão desenvolvimento sustentável, houve-se falar em soluções capazes de garantir o futuro com discursos sobre sustentabilidade e meio ambiente. “Mas, de qual futuro estamos falando e para quem? É difícil acreditar que ele existe para poucos”, questiona.

Rodrigo lembra que aliada à falta de água no mundo, existe a falta de solidariedade e humanismo. “Por isto, a função desse projeto é contribuir para a formação de cidadãos conscientes, capazes de decidir e atuar diante da realidade. É necessário mais que informações e conceitos, mas atitudes que serão vivenciadas na prática cotidiana de cada um”, finaliza.

XVIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas
XIX Encontro Nacional de Perfuradores de Poços
FENÁGUA – Feira Nacional da Água
Data: 14 a 17 de outubro de 2014
Minas Centro, Belo Horizonte (MG)

Realização: ABAS – Associação Brasileira de Águas Subterrâneas
Patrocínio: ANA – Agência Nacional de Águas, Vale e Eurofins

http://www.abas.org/congresso/index.php

Informações para imprensa
Timepress Comunicação Empresarial
Cristina Bighetti – cristina@timepress.com.br
Santelmo Camilo – santelmo@timepress.com.br
Marcelo de Trói – marcelo@timepress.com.br
Monique Limberger – monique@timepress.com.br
Tel. (11) 5585-9787

 



Notícia publicada em 19/09/2014.








Copyright © - ABAS - Associação Brasileira de Águas Subterrâneas